Depoimentos de delatores da Odebrecht possuem divergências e se contradizem

Os depoimentos de delatores da Odebrecht e materiais usados como provas contêm erros, contradições e inconsistências. O levantamento foi realizado pela Folha de S. Paulo que identificou versões diferentes em depoimentos dos mesmos delatores, além de guerras de versões entre os acusados. Políticos já afirmaram que usarão dessas brechas para se defenderem da Justiça.

Segundo a publicação, um ministro do Supremo Tribunal Federal, que pediu anonimato, disse que incongruências fragilizam as acusações e que algumas delações terão de ser reanalisadas em órgãos judiciais.

Como exemplo estão, as petições contra os governadores do PSDB Marconi Perillo (Goiás) e Geraldo Alckmin (São Paulo); as citações a Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, ex-diretor da Dersa – delatores falaram em repasses de valores diferentes – e do ministro Aloysio Nunes Ferreira (divergências de datas).

Em relação a campanha ao governo de SP, a petição de Aloizio Mercadante e Edinho Silva, possuem divergências e se contradizem.

Em outros casos, as incongruências estão entre o que delatores afirmaram e o que a Procuradoria apresentou. A Odebrecht disse que “é de responsabilidade da Justiça a avaliação de relatos”. A PGR não quis se manifestar.

Fonte: Bocão News

O que você pensa sobre isso?